PUBLICIDADE

Cooperativas de agricultores familiares da Chapada Diamantina investem em café gourmet

  • Em Cidades
  • 23-04-2019
  • Por Irecê Notícias
  • 288 Visualizações
img
Foto: Reprodução

O café da Chapada Diamantina está entre os melhores do mundo e a região tem investindo na produção de cafés especiais, essencialmente o gourmet, e visa a exportação do produto para outros estados do país e para o exterior

A Cooperativa de Cafés Especiais e Agropecuária de Piatã (Coopiatã), que se mantém entre os 10 melhores produtores de café do principal concurso de qualidade no mundo, o Cup of Excellence da BSCA – Brazilian Speciality Coffee Association. A Coopiatã recebeu também o selo da Agricultura Familiar e está investindo cada vez mais no café gourmet.

Nesta cooperativa, segundo o governo, foram investidos mais de R$1,2 milhão. O presidente da cooperativa, Rodolfo Moreno, destaca que, com o recurso, foi possível melhorar e aumentar as vendas.

Em Seabra, a Cooperativa de Produtores Orgânicos e Biodinâmicos da Chapada Diamantina (Cooperbio) é outra que se destaca.

Produzido por agricultores e produtores de café orgânico dos municípios de Abaíra, Bonito, Ibicoara, Piatã, Rio de Contas e Seabra, o café já é exportado para a Alemanha, Inglaterra e Austrália, e comercializado em cafeterias de Salvador, São Paulo e Brasília.

Na cooperativa de Seabra, o investimento feito pelo governo é voltado para unidades de armazenamento, de classificação de grãos de café, em utensílios para laboratório de provas e caminhão para escoamento da produção. “Os recursos são para expansão da cooperativa e para dar visibilidade aos cafés da agricultura familiar”, afirma a presidente da Cooperbio, Brígida Salgado.


“A previsão é que, nos próximos quatro anos, o faturamento, que gira em torno de R$ 455 mil, com a linha gourmet chegue a mais de R$1,2 milhão”, afirmou a presidente da Cooperbac, Joahra Oliveira.

O governo estadual informou que tem investido R$ 3,2 milhões na cadeia produtiva do café, que vem possibilitando agregar valor à produção e alavancar a comercialização do produto. As ações são realizadas por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio do projeto Bahia Produtiva, com recursos do Banco Mundial, e visam à qualificação do café, desde o plantio até o acesso ao mercado.

Informações do G1 BA.